Nada me pertence.


Namastibet

Nada me pertence mais que as memórias do uso a que me dou,
Sirvo tudo o resto e acabarei por esquecer, nu e em branco sótão,
Como tudo o que faço, fazendo disso o que se chama um jantar a 2,
Como a ilusão num acostumado raso prato, jantando-nos no alto divã,

Na divisão de barraco que em mim mora, pode ser amanhã ou foi noutra
Era d’antiga hora, onde não existo nem quero insistir.Fora d’portas
Nada me pertence mais do que uma trouxa e a memória destas notas,
A firmar que estou eu entrando no sonhar que esquecer não quero,recuo

Senão quando o ouço clamar ao ouvido incincero dizendo adeus,
Como sonho ido embora, esqueço o que diz meu barraco coração
Agora mesmo e se chora partido, perdido e sem historia ou vã-glória,
Mas conscienço-me que foi par’outro estado novo, estrada que não vou

No meu ir, fui noutra…

View original post mais 179 palavras

Anúncios

Sobre JNascimento

Kota amante da boa mesa e da boa música
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Uma resposta a Nada me pertence.

  1. “Mais da ermo e inexplicável “torah”
    De saberes que esta vida é verdadeira
    e feia feita
    Que é uma coisa real,uma rameira prenha
    que é como um ser em dúvida eterna
    e em todo o seu mistério
    Realmente real, bem dentro dela

    As duplas garridas
    Formas do erro mais simples do pensar,
    A vazia do suposto eu e profunda negação
    que o ego profunda guarda.

    O bem e o mal são formas de erro,justapostas,
    não implicariam Deus”

    (Joel em Pessoa)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s