Malmequeres


Namastibet

Eu não sei que familiaridade tenho
Com os lábios, a monte anda a crença
Que me abandonou no que digo senão
Posso ser eu capaz de fazer rir e Chorar

A 1 tempo pois não passo de um charlatão,
como posso passar eu rente a outro
Que amar-me eu não, quando o faço
Apenas pra que tenham saudade,

Deste familiar má peça, sem nada
Pra dizer que seja novo ou verdade,
Não quero saber o que sentes,
Baixo os braços se subires os teus,

A febre abandonou-me, a família
Que não acho sempre esperará por mim,
Supondo-me uma ilusão de óptica
Esquecei-me pra sempre, esqueci eu

O sentir e de tudo quanto fingi ser
Sou nada, sou um fulano malquerer,
Desenho mundos em flor, ovais
Excepto o pensar delas e o ser,

Espalham o meu desamor em voo,
Como as colónias de abelhas,
Todas de acordo com as pétalas,
Creio…

View original post mais 32 palavras

Anúncios

Sobre JNascimento

Kota amante da boa mesa e da boa música
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s